quarta-feira, 23 de junho de 2010

Lendas chinesas sobre a origem do mundo

Na China, a criação explica-se através do yin e do yang, energias que se fundem para criar o Universo.

O yang é uma energia masculina, ativa, clara e ímpar; o yin é considerado o princípio feminino, em repouso, escuro e par. São representados pelas metades preta e branca de um círculo e constituem todos os aspetos da vida. No Universo, estas energias podem estar em expansão e diluírem-se, ou, pelo contrário, aproximarem-se e concentrarem-se. São simbolizadas por dois traços: contínuo para o yang, descontínuo para o yin.

Ao longo do tempo, muitas histórias e lendas foram sendo contadas em redor desse conceito, profundamente enraizado na cultura chinesa.

Existem dois tipos de lendas sobre a origem do mundo:
- sobre a abertura do céu e da terra, e a formação do mundo e todas as coisas;
- sobre a origem dos humanos, incluindo a origem das etnias.

As lendas sobre a abertura do céu (Yang) e da terra (Yin) são divididas em três tipos: - um ou vários deuses criaram o mundo;
- um gigante que se transforma em todas as coisas do mundo;
- o mundo nascendo da transformação da natureza.

Diversas etnias têm suas lendas sobre a origem do mundo. Na mitologia Han, é um gigante chamado Pan Gu quem cria o mundo. Depois, surgem os primeiros senhores do Céu e da Terra, cada um dando o seu contributo ao Homem. Os principais são:
- Nü Wa (Mãe da Humanidade), deusa que criou o homem e as regras de casamento.
- Fu Hsi (ou Pao Hsi) (Pai da Escrita), mítico primeiro imperador da China. É reputado por ser o inventor da escrita, da pesca e da caça.
- Shen Nong (ou Tian Zu) (Divino Lavrador), a lenda diz que o deus Jiang Shen Nong foi imperador na antiguidade. Inventou a agricultura e a medicina. É normalmente representado por dois cornos, que simbolizam a sabedoria.

Mais tarde, surge na mitologia chinesa o Imperador de Jade, chamado também de "Imperador do Céu", que é o deus mais supremo no budismo e no taoismo, e tem controle sobre todos os deuses dos três mundos: o mundo humano, o mundo celestial e o mundo subterrâneo.

Pan Gu abriu o céu e a terra

O mundo veio de uma bola cósmica, envolta em trevas, flutuando no universo. Dentro da bola, havia um espírito. O espírito foi-se desenvolvendo em silêncio, no seu interior, ninguém sabe por quantos anos, até que finalmente esse novo espírito, chamado Pan Gu, nasceu. Pan Gu vivia dentro da bola, com os olhos meio fechados, absorvendo a nutrição da bola, dormindo tranqüilamente.

Milhões de anos se passaram assim, Pan Gu cresceu e virou um gigante. Um dia, ele abriu totalmente os olhos. Mas porque se encontrava em total escuridão, Pan Gu não conseguiu ver nada. Ele pensou que o negrume em frente dos olhos fosse por que ele não tivesse acordado totalmente; limpou os olhos, mas mesmo assim não via nada. Limpou várias vezes os olhos, mas em frente dele existia somente uma escuridão sem fim. Ele ficou bravo, pulando e gritando, pedindo pela luz, batendo na bola para quebrar o mundo escuro.

Pan Gu ficava pulando e gritando, ninguém sabe por quantos anos; finalmente, seus gritos e todo o barulho que fez atravessaram a bola e chegaram aos ouvidos do Imperador de Jade no céu. Ao ouvir o barulho, o Imperador de Jade ficou muito feliz. Ele pegou um machado que tinha ao seu lado, e o jogou dentro da bola para Pan Gu.

Pan Gu, pulando e gritando, de repente, viu um fio de luz quando o machado atravessou a bola. Ficando surpreendido, ele alcançou a mão para tocar a luz. Ao mesmo tempo, o machado chegou e caiu na sua mão. Sentindo que alguma coisa tinha caído na mão, ele deu uma olhada: era um machado. Mesmo não sabendo de onde veio o machado, ele ficou muito feliz e decidiu quebrar a escuridão com o machado.

Com a primeira machadada, Pan Gu ouviu um barulho enorme, tão forte que pareceu quebrar tudo. Uma racha apareceu na bola, e uma luz brilhante veio de fora. Ele ficou tão alegre que por momentos, se deteve, exclamando sua emoção. Mas subitamente, viu que a racha ia-se fechando e a luz sumindo. Ele jogou o machado no chão e empurrou a parte de cima da bola para manter a racha, e a luz.

Sabendo que, se desistisse, a bola fecharia de novo e ele perderia a luz, Pan Gu ficou sustentando a parte de cima com muita força. As juntas dos seus ossos começaram a estalar, Pan Gu estava crescendo. Todos os dias, ele crescia um Zhang (medida chinesa, 1 Zhang = 3 metros), e a racha aumentava um Zhang. Muitos anos se passaram, Pan Gu chegou à altura de 18 milhas de Zhang, o mesmo acontecendo com a racha.

Ao ver que os dois lados da racha ficaram suficientemente afastados um do outro, não podendo mais fechar, Pan Gu sentiu-se aliviado, e começou a dar uma olhada ao redor dele: a escuridão em cima tinha virado o céu, mudando a cor para azul claro; a escuridão, em baixo, mudou para terra grossa, de cor amarela-marrom. Olhando para o céu azul claro, tão grande que parecia não ter fim, e a terra amarela, grossa e ampla, Pan Gu sentiu-se muito alegre: a escuridão tinha-se retirado e a terra estava coberta pela claridade. Ele começou a rir.

Ele riu tanto que, de repente, teve um colapso e seu grande corpo caiu no chão. Pan Gu havia morrido. Mas, na verdade, ele não morreu. Seu corpo brilhou e as partes da sua essência física começaram a se transformar.

O seu olho esquerdo voou para o leste do céu, e virou o sol brilhante que ilumina tudo. O seu olho direito voou para o oeste do céu e virou a lua terna. A sua respiração transformou-se no vento da primavera que acorda a Vida e nas nuvens que flutuam no céu; a sua voz, no raio que ilumina as nuvens escuras com um trovão ensurdecedor. Seus cabelos e barba voaram em todos os sentidos e viraram florestas densas, ervas prósperas e flores coloridas. Seu suor atingiu o céu e virou estrelas brilhantes. Seus braços e pernas se estenderam e formaram montanhas. Suas veias tornaram-se caminhos serpenteando a terra, onde seu sangue fluiu, formando os rios. Seus dentes e ossos se espalharam e viraram metais brilhantes; jades brancos, pérolas cintilantes, ágatas lindas e tesouros abundantes. Da sua saliva, surgiu a chuva que umedece a terra. O que restava da vida em seu espírito virou lentamente em bichos, peixes, pássaros e insetos, e trouxe vitalidade para o mundo.

Usando seu corpo e seu espírito, Pan Gu criou o mundo.
Nü Wa criou os humanos
Nü Wa é uma deusa que nasceu da terra.

Um dia, ela estava andando no campo, e olhou para as montanhas onduladas, os rios correntes, as florestas densas; viu que os pássaros estavam cantando e voando no céu, os peixes estavam brincando na água, os insetos estavam pulando na grama, o mundo era lindo. Mas Nü Wa se sentia muito sozinha e infeliz, nem ela sabia porquê.

Ela exprimiu sua solidão para as montanhas e as florestas, mas elas não a entenderam; ela contou seus pensamentos para os bichos e pássaros, mas eles não a entenderam. Sentando-se na beira de um lago e olhando para sua sombra na água, Nü Wa sentiu-se muito desapontada.

Uma brisa ligeira passou, uma folha caiu na água e causou ondulações leves, a sombra de Nü Wa ficou oscilando na água. De repente, Nü Wa percebeu que lhe faltavam vidas iguais como ela.

Pensando nisso, ela pegou um pouco de lama amarela na beira do lago, amassou-a, e formou uma figura semelhante à sua sombra na água. Era uma figura pequena, com uma cara parecida, tendo duas mãos e dois pés. Quando ela colocou a figura no chão, a figura ganhou vida. Nü Wa ficou muito feliz, ela continuou fazendo muitas figuras, e chamou-lhes "humanos", moldando tanto homens como mulheres.

Porque os humanos foram criados simulando a aparência da deusa, eles receberam disposições e comportamentos diferentes de outras vidas. Eles sabiam falar a mesma língua de Nü Wa. Eles conversaram com ela, aplaudiram ao redor dela, e depois, saíram do seu lado e se espalharam.

O coração solitário de Nü Wa ficou muito feliz. Ela ficou com vontade de tornar o mundo mais animado com muitos humanos. Então, continuou trabalhando em fazer figuras. Mas o mundo era tão grande. Mesmo trabalhando muito até ter os dedos entorpecidos, o mundo ainda continuava muito vazio. Pensando que assim não adiantava muito, Nü Wa pegou uma vinha de uma árvore, molhou-a com lama e jogou-a no chão. As gotas de lama bateram no chão, e viraram em figuras parecidas que as que Nü Wa fez à mão. Nü Wa ficou jogando a vinha e espalhou os humanos para todos os lugares do mundo.

Depois de criar bastantes humanos, Nü Wa ficou contente. Ela decidiu fazer uma pausa e passear um pouco para ver como as pessoas viviam.

Um dia, ela chegou num local e descobriu que havia pouca gente ali. Ela achou isso muito estranho e ficou procurando. Aí, descobriu que muita gente estava deitada no chão, sem movimento algum. Ela chegou a tocar nos corpos, mas nada aconteceu: foram as primeiras pessoas que Nü Wa criou, estavam agora com cabelos brancos e tinham morrido.

Ao ver isso, Nü Wa ficou muito preocupada: ela tinha trabalhado tanto, mas as pessoas envelheciam e acabavam por morrer. Se ela quisesse um mundo com pessoas, ela teria de criar humanos sem parar.
Então, dirigiu-se ao templo de Pan Gu, e pediu ao deus para que ela pudesse ser a casamenteira dos humanos. Ela recebeu essa permissão e aí mandou os homens e mulheres reproduzirem-se entre si, para terem descendência. Porque os humanos são criaturas geradas à imagem da deusa, sendo diferenciados dos bichos, Nü Wa criou também o sistema de casamento para eles.

E Nü Wa, tendo criado a raça humana, tornou-se também sua casamenteira, como forma de perpetuar os seres humanos na Terra.
Zhao Gu Niao - o pássaro que procura a cunhada - O Cuco

Muitos anos atrás, havia uma mulher velha, ela tinha um filho e uma filha. O filho se casou, e pouco tempo depois do casamento, ele saiu da casa para fazer negócios. A velha vivia com sua filha e sua nora, mas ela gostava somente da filha e tratava a nora muito mal.

Olhando para a filha, ela sempre falava: "Minha filha, coma mais um pedaço de panqueca, tome mais sopa de arroz."

A filha sempre dividia a panqueca com a cunhada, mas a velha se virava e falava para a nora: "Você come tanto, toma tanto, nunca tenho suficiente para você."

E o problema para a nora não era somente a falta de comida e de roupa, a velha batia nela e a maltratava com freqüência.

Uma vez, a velha criou muitos bichos-de-seda, tantos que não dava para contar. Toda madrugada, a velha forçava a nora a subir os montes para colher folhas de amoras para alimentar os bichos-de-seda. Dia a dia, as amoreiras no monte estavam ficando sem folhas.

Mas os bichos-de-seda cresciam muito e exigiam cada vez mais comida. Em abril, os corpos deles começaram a brilhar, eles estavam quase prontos. A nora espalhava uma camada de folhas de amoras em cima dos bichos-de-seda, "Xa...xa...xa...", as folhas acabavam; ela espalhava uma outra camada, "Xa...xa...xa...", as folhas acabavam...

Um dia, a velha sogra maltratou de novo a nora: "Uma nora é igual a um cavalo que a gente compra, pode andar no cavalo, pode bater nele, como quiser. Se hoje você não voltar com suficientes folhas de amoras, vou bater em você."

A velha viu bem que a nora saiu da casa, ela se virou, e viu que a filha estava trabalhando nos bichos-de-seda. Ficou com muita pena, e falou: "Minha boa menina, descanse! Deixe as coisas para sua cunhada. Você tem fome? Está com sede? Tenho ainda panquecas e sopa de arroz para você."
A filha da velha era muito linda, mas sendo diferente da mãe, ela tinha um bom coração. Ela amava sua cunhada e tinha muita pena dela. Ouvindo o que a mãe disse, ela respondeu: "Sou um ser humano igual a minha cunhada, por que não posso fazer as coisas, e tenho de deixá-las para minha cunhada!"

A velha ficou muito brava por que a filha não obedeceu. Queria bater nela, mas já sentiu dor dentro de si quando pensou nisso; queria maltratá-la, mas já ficou com pena antes de abrir a boca. Ficando brava, mas sem saber o que a fazer, batendo as mãos, e ela saiu de casa.

A nora subiu os montes, andou procurando amoreiras. Meio dia se passou, ela achou somente algumas folhas. O sol já estava bem alto sobre a sua cabeça, a nora se sentou no chão e começou a chorar.

Em casa, a filha tinha terminado seu trabalho, e ficou preocupada com a cunhada, pensou: "Não me sinto normal hoje, meu coração bate tão rápido, talvez minha cunhada esteja com fome, talvez ela esteja se sentindo mal." Ela pegou algumas panquecas, levou um copo de sopa de arroz, e subiu o monte.

Logo ela via que sua cunhada estava chorando ao lado do caminho, ela chegou perto e pegou a mão da cunhada e falou: "Minha irmã, não chore. Se você está com fome, trago panquecas para você; se você está com sede, tenho sopa de arroz."

A cunhada chorou: "Minha irmãzinha, se eu estivesse com fome, poderia comer ervas comestíveis; se eu tivesse sede, poderia tomar a água do rio. Mas ando pelos montes, e vejo somente carvalhos. Se não achar suficientes folhas de amoras, como mamãe vai me receber!"

A filha da velha limpou as lágrimas da cunhada, penteou os cabelos dela, e disse: "Minha irmã, não chore. Coma as panquecas, tome a sopa, aí a gente procura juntas." Ela forçou a cunhada a comer um pedaço de panqueca, a tomar um pouco da sopa, e a acompanhou na procura.

Elas atravessaram os rios, e andaram por todos os montes, mas não encontraram nenhuma amoreira, o que elas viram, eram só carvalhos.
Vendo que o sol estava se pondo, a nora disse: "Minha boa menininha, a noite está caindo, os lobos estão saindo das cavernas, os tigres estão vindo. Você vai para casa."
A filha respondeu: "Minha irmã, a noite está caindo, os lobos estão saindo das cavernas, os tigres estão vindo. Você vai comigo para casa."
A nora olhou no cesto vazio e disse: "Sua irmã vai esperar aqui. Talvez o Deus do monte tenha pena de mim e torne os carvalhos em amoreiras."
"Vamos esperar juntas. Talvez o Deus do monte tenha pena da gente e torne os carvalhos em amoreiras."

Elas continuaram procurando no monte, mas viram somente carvalhos, sem amoreiras.

O sol se pôs atrás do monte.
A noite caiu.
A lua subiu por cima das árvores.
O cesto estava vazio, a nora começou a chorar.
O vento estava soprando, a água do rio estava cantando.
De repente, a filha levantou a cabeça e gritou para o monte: "O Deus do monte! Se você tornar os carvalhos em amoreiras, vou me casar contigo!"

As folhas dos carvalhos começaram a se bater.

A filha gritou de novo: "O Deus do monte! Se você tornar os carvalhos em amoreiras, vou me casar contigo!"

Os carvalhos estavam fazendo mais barulho ao vento.

A filha já se decidiu e gritou de novo: "O Deus do monte! Se você tornar os carvalhos em amoreiras, vou me casar contigo!"

Depois do terceiro grito da filha, começou de repente um turbilhão; o céu se cobriu de nuvens, e a terra escureceu. As folhas das árvores estava fazendo muito barulho.

Um momento depois, o vento parou, a lua brilhou de novo, os montes estavam cobertos de amoreiras, e sumiram todos os carvalhos.

As duas moças ficaram tão felizes e começaram a pegar as folhas das amoreiras. As folhas eram tão grandes, toda folha tinha o tamanho da mão. Logo o cesto ficou cheio. Elas carregaram o cesto e desceram o monte.

A velha estava se preocupada em casa, porque não achava mais sua filha. Vendo que a filha estava voltando, ela ficou tão feliz como se tivesse encontrado uma grande riqueza. Apesar da nora voltar com bastante folhas de amoras, a velha ficou muito brava com ela e disse que ela não poderia levar sua filha. Finalmente, a velha mandou a nora cuidar dos bichos-de-seda à noite e ela nem pôde dormir.

No dia seguinte, a nora subiu o monte de novo para pegar folhas de amoras, a filha da velha levou de novo panquecas para ela. Os montes estavam cheios de amoreiras, não se via mais nenhum carvalho.

Alguns dias depois, os bichos-de-seda fizeram casulos.

Um dia, quando a filha e a nora estavam trabalhando nos casulos, uma grande nuvem preta veio do noroeste, e seguindo a nuvem, um forte vento escuro. As arvores estava balançando, tanto que puxaram as raízes para fora da terra. O vento chegou perto, levantou o telhado, e pegou a filha.
A nora ficou chocada. Ela pulou no vento escuro e procurou sua cunhada. Os ramos das árvores caindo batiam no seu corpo, as pedras levantadas pelo vento machucavam suas mãos. Ela caiu muitas vezes no chão, mas ela se levantou, continuou correndo atrás do vento e gritou: "O Deus do monte, deixe minha cunhada!"

O vento escuro entrou nos montes, a nora o seguiu nos montes. Mas as amoreiras bloqueavam sua vista. De repente, o vento sumiu.

A nora ficou nos montes procurando, os sapatos se gastaram.

A nora ficou procurando, de dia, de noite, suas roupas se rasgaram pelas árvores.

O verão passou, veio o outono; o outono passou, o inverno estava chegando. Todas as ervas nos montes sabiam que a nora estava procurando sua cunhada, elas puseram suas folhas no chão para proteger os pés da nora. Todas as árvores dos montes sabiam que a nora estava procurando sua cunhada, elas baixavam os ramos para que suas frutas ficassem mais perto da nora. Todos os pássaros nos montes sabiam que a nora estava procurando sua cunhada, eles tiravam suas penas e as jogavam para a nora, para que ela pudesse passar o inverno quentinha.

As penas voavam ao redor da nora, levemente, bem com a neve; finalmente, elas cobriram a
nora completamente.

No dia seguinte, veio o vento frio do inverno. A nora já virou um passarinho belo, coberto por tantas penas belas. Ela voava sobre os montes e cantava: "Zhao Gu! Zhao Gu!" (Zhao Gu significa "procuro a cunhada".)

O inverno frio passou, a bela primavera chegou de novo. O belo passarinho voava em cima das amoreiras e cantava: "Zhao Gu! Zhao Gu!"

Ela passava pelo pomar florido e cantava: "Zhao Gu! Zhao Gu!"

Ela passava pelos campos verdes, voava abaixo das nuvens brancas da primavera, e cantava o tempo todo: "Zhao Gu! Zhao Gu!"

Meses passaram, anos passaram, todas as pessoas sabiam que ela estava procurando a cunhada. As pessoas ficavam com muita pena dela, e a chamava de Zhao Gu Niao - o pássaro que procura a cunhada, que é o Cuco.

Fonte: minhachina.com

terça-feira, 9 de fevereiro de 2010

Gari / Gengibre em Conserva

Uma das conservas mais apreciadas pelos brasileiros. Em geral, vem acompanhando um prato de sushi ou de sashimi.

Ingredientes

350-400g de shooga (gengibre) descascado e cortado em fatias finas
½ xícara de açúcar
1 xícara de vinagre
3 colheres de chá de sal
1 recipiente de vidro de aproximadamente ½ litro, com tampa

Preparo

1. Cozinhe os shooga numa panela com água até que ferva. Escorra numa peneira e deixe esfriar naturalmente.2. Leve ao fogo o açúcar e o sal misturado no vinagre até diluir e levantar fervura. Deixe esfriar.3. No recipiente, misture o shooga e a mistura do vinagre. Tampe e deixe curtir por 2 dias à temperatura ambiente.4. Armazene na geladeira (dura aproximadamente 6 meses).
Dicas: O gari preparado com gengibre fresco é mais saboroso.Nas receitas onde é utilizado com arroz, o shooga toma uma coloração avermelhada, e chama-se benishooga. Mas não se preocupe: a receita é a mesma! Basta adicionar um pouco de corante vermelho.
Rendimento: pote de ½ litro.

terça-feira, 17 de novembro de 2009

Lucky (feat. Jason Mraz)Colbie Caillat

Do you hear me talking to you
Across the water across the deep blue ocean
Under the open sky oh my, baby I'm trying

Boy I hear you in my dreams
I feel you whisper across the sea
I keep you with me in my heart
You make it easier when life gets hard

I'm lucky I'm in love with my best friend
Lucky to have been where I have been
Lucky to be coming home again

Oooohhhhoohhhhohhooohhooohhooohoooh

They don't know how long it takes
Waiting for a love like this
Every time we say goodbye
I wish we had one more kiss
I wait for you I promise you, I will

I'm lucky I'm in love with my best friend
Lucky to have been where I have been
Lucky to be coming home again
I'm lucky we're in love every way
Lucky to have stayed where we have stayed
Lucky to be coming home someday

And so I'm sailing through the sea
To an island where we'll meet
You'll hear the music, fill the air
I put a flower in your hair

And though the breeze is through the trees
Move so pretty you're all I see
As the world keeps spinning round
You hold me right here right now

I'm lucky I'm in love with my best friend
Lucky to have been where I have been
Lucky to be coming home again
I'm lucky we're in love every way
Lucky to have stayed where we have stayed
Lucky to be coming home someday

Ooohh ooooh oooh oooh ooh ooh ooh ooh
Ooooh ooooh oooh oooh ooh ooh ooh ooh

terça-feira, 3 de novembro de 2009

Angels (Robbie Williams)

I sit and wait
There's an angel contemplate my fate
And do they know
The places where we go
When we're gray and old
'Cause I've been told
That salvation lets their wings unfold
So when I'm lying in my bed
Thoughts running through my head
And I feel the love is deadI'm loving angels instead

(Chorus)
And through it all she offers me protection
A lot of love and affectionWhether I'm right or wrong
And down the waterfall
Wherever it may take me
I know that life won't break me
When I come to call she won't forsake me
I'm loving angels instead

When I'm feeling weak
And my pain walks down a one way street
I look above
And I know I'll always be blessed with love
And as the feeling grows
She breathes flesh to my bones
And when love is dead
I'm loving angels instead

(Chorus) 2X

Eu sento e espero
Um anjo contempla meu destino
E eles conhecem
Os lugares onde nós vamos
Quando estamos grisalhos e velhos
Pois me foi dito
Que a salvação deixa as asas deles estendidas
Então, quando eu estiver deitado na minha cama,
Pensamentos correndo pela minha cabeça,
E eu sinto que o amor está morto,
Estou amando anjos em vez disso...

(Refrão)
E através disso tudo ela me oferece proteção,
Muito amor e afeição,
Esteja eu certo ou errado.
E debaixo da cachoeira,
Onde quer que isso possa me levar,
Eu sei que a vida não me arruinará.
Quando eu vier chamar, ela não me abandonará.
Estou amando anjos em vez disso.. .

Quando estou me sentindo fraco
E minha dor caminha por uma rua de mão única,
Eu olho para cima
E sei que serei sempre abençoado com amor.
E conforme o sentimento cresce
Ela aspira carne nos meus ossos.
E quando o amor estiver morto,
Estou amando anjos em vez disso...

segunda-feira, 26 de outubro de 2009

ME VOY - Julieta Venegas

Porque no supiste entender a mi corazón
Lo que había en el, porque no
Tuviste el valor de ver quién soy.
Porque no escuchas lo que está tan cerca de ti
Solo el ruido de afuera y yo,Estoy a un lado, desaparezco para ti.

No voy a llorar y decir
Que no merezco esto,
Porque
Es probable que lo merezco
Pero no lo quiero por eso me voy.

Que lástima pero adiós,
Me despido de ti y me voy,
Que lástima pero adiós,
Me despido de ti.....

Porque se que me espera algo mejor
Alguien que sepa darme amor
De ese que endulza la sal y hace que
Salga el sol.
Yo que pense
Nunca me íria de ti que es amor
Del bueno de toda la vida pero,
Hoy entendí que no hay suficiente para los dos.

No voy a llorar y decir
Que no merezco esto,
Porque
Es probable que lo merezco
Pero no lo quiero, por eso me voy.

Que lástima pero adiós,
Me despido de ti y me voy,
Que lástima pero adiós,
Me despido de ti.....

Me voy
Que lástima pero adiós,
Me despido de ti y me voy,
Que lástima pero adiós,
Me despido de ti y me voy.

Que lástima pero adiós,
Me despido de ti y me voy,
Que lástima pero adiós,
Me despido de ti...
Y me voy.


Porque não soubeste entender o meu coração
O que havia nele, porque não teve a capacidade de ver quem sou
Porque não escutas o que está perto de ti
Só o ruído lá fora
E eu que estou ao teu lado,desapareço para você

Não vou chorar e dizer que não mereço isto
Porque é provável que eu mereça, porém não quero
Por isso parto .. Que pena, mas adeus
Me despeço de você e me vou
Que pena, mas adeus, me despeço de você

Porque sei que pra mim há algo melhor
Alguém que saiba me dar amor
Desses que adoça o sal e fazem sair o sol
E eu que pensei que nunca iria embora
Que era o maior amor da minha vida
Porém hoje entendi que não é suficiente pra nós dois

Não vou dizer que não mereço isto
Porque é provável que eu mereça, porém não quero
Por isso parto .. que pena, mas adeus
Me despeço de você e me vou
Que pena, mas adeus, me despeço de você

Me vou, que pena, mas me vou
Me despeço de você e me vou
Que pena, mas adeus
Me despeço de você e me vou
Que pena, mas adeus
Me despeço de você
Me vou
Que pena, mas adeus
Me despeço de você
Me vou

Ilusión (Julieta Venegas e Marisa Monte)

Uma vez eu tive uma ilusão
E não soube o que fazer
Não soube o que fazer
Com ela
Não soube o que fazer
E ela se foi
Porque eu a deixei
Por que eu a deixei?
Não sei
Eu só sei que ela se foi

Mi corazón desde entonces
La llora diario
No portão
Por ella
No supe que hacer
Y se me fue
Porque la deje
¿Por que la deje?
No sé
Solo sé que se me fue

Sei que tudo o que eu queria
Deixei tudo o que eu queria
Porque não me deixei tentar
Vivê-la feliz
É a ilusão de que volte
O que me faça feliz
Faça viver
Por ella no supe que hacer
Y se me fue
Porque la deje
¿Por que la deje?
No sé
Solo sé que se me fue

Sei que tudo o que eu queria
Deixei tudo o que eu queria
Porque não me deixei tentar
Vivê-la feliz
Sei que tudo o que eu queria
Deixei tudo o que eu queria

Porque no me dejo
Tratar de hacerla feliz
Porque la deje
¿Por que la deje?
No sé
Solo sé que se me fue

domingo, 18 de outubro de 2009

Dermatite de contato

Trata-se de uma doença bastante comum, afetando a pele de muitas pessoas, causando não só prurido como também problemas estéticos, que muitas vezes deixam as pessoas envergonhadas, principalmente quando o problema for emlocais visíveis. Em certos casos, a dermatite de contato pode até mesmo prejudicar certas profissões, como acontece para as pessoas que lavam roupas manualmente, ou até mesmo pintores, que estão frequentemente em contato com tintas e solventes. Como o nome já diz, a dermatite de contato é uma inflamação da pele, causada por uma substância que entra em contato com o corpo. é interessante notar que existem dois tipos de dermatite de contato.Um deles é causado por substâncias que irritam a pele, por isso chamados irritantes. Neste grupo, a pessoa nãoprecisa ser alérgica para desenvolver a doença, pois o mecanismo de formação da doença não envolve uma reação imunológica, como acontece nas dermatites de contato alérgicas. Nestas, o individuo só começa a apresentar os sintomas de dermatite se ele for sensível àquele determinado alérgeno. Na verdade, os sintomas das duas dermatites são semelhantes e fica difícil muitas vezes diferenciar uma da outra.

Tipos de Dermatite de Contato:

- Causada por agentes irritantes: Existem vários produtos normalmente utilizados que podem provocar essainflamação na pele. Como foi citado, qualquer pessoa pode ter dermatite, basta que ela entre em contato com um dos agentes irritantes que irão desenvolver a doença. Dos irritantes, os mais comuns são os sabões e detergentes. Eles normalmente eliminam a camada de óleo que temos na nossa pele que ajuda a nos proteger contra doenças. Com isso,a pele fica mais sensível, provocando prurido e irritação. Muitas vezes, o próprio resíduo de sabão que fica na pele após nos lavarmos pode provocar a irritação encontrada na dermatite. Também o álcool, tintas e solventes são agentes irritantes para a pele, provocando a dermatite. Além deles, podemos citar os produtos de limpeza como cândida e outros como irritantes da pele. Mesmo o plástico e alguns metais podem provocar a dermatite de contato.Como sempre, a doença pode acometer algumas pessoas e não outras. Isso acontece devido ao fato de cada um tem um tipo de pele diferente do outro. Os locais mais afetados são aqueles em que a camada de pele é mais fina, como naspálpebras, genitais e no rosto. Também as regiões mais úmidas do corpo são mais susceptíveis à dermatite de contato, pois a umidade aumenta a irritação da pele. é bom lembrar que peles muito secas também se irritam facilmente.

SINTOMAS

Os sintomas e sinais variam conforme a potência do irritante e o tempo em que a pele ficou em contato com ele. Se o agente irritante for muito forte, os sintomas podem aparecer logo após o contato. Já nos casos mais leves, a irritação só surge com o tempo, principalmente com o uso repetido dos produtos irritantes. O que se nota normalmente são lesões secas e descamativas, principalmente nas mãos e braços. Nas lesões mais graves notam-se bolhas, intensa vermelhidão, rachaduras na pele ou mesmo úlceras, dependendo do caso. Além disso, a pessoa se queixa de prurido, às vezes queimação, ou até mesmo dor nos locais afetados.

DIAGNÓSTICO

Em geral, o doente nota que apareceu a irritação logo após o uso de determinado irritante. Mas nem sempre é possível saber o que é que está causando a dermatite, principalmente se existem vários irritantes em questão ou seo problema já vem ocorrendo há algum tempo. O melhor jeito de saber nesses casos é colocar uma pequena quantidade de cada irritante em contato com a pele e notar qual é o que provoca a reação.

TRATAMENTO

A melhor forma de contornar esse problema é detectar qual é o agente que está provocando a irritação e evitar entrar em contato com ele. Se não é possivel evitar o contato em si, usar algum tipo de proteção, como o uso de luvas quando lavar roupas, louças ou na limpeza da casa. As melhores luvas são as de vinil, em relação às de latex,pois causam menos alergia. Se for o caso, coloque uma luva de algodão puro em baixo da de vinil, pois a luva de algodão ajuda a absorver o suor das mãos, evitando que cause irritação. Para aqueles que tem a pele muito seca, é bom usar sempre um creme hidratante para evitar que a pele se irrite. Outro fator importante é evitar lavar as mãoscom água muito quente, pois irrita mais a pele. Utilize-se das máquinas como as de lavar roupa e de lavar pratos,se possível. Procure produtos de limpeza e sabões que sejam mais delicados para a pele. Para o rosto, mãos ou mesmopara tomar banho, prefira os sabonetes neutros ou aqueles para pele sensível. Quando possível, compre produtos que não contenham perfume, pois causam menos problema para a pele. Quando houver necessidade, o médico poderáprescrever um creme a base de corticoide para solucionar o problema.

- DERMATITE POR ALERGIAS: São muitos semelhantes às dermatites por irritantes no aspecto externo, porém a grande diferença é na maneira com que a doença se desenvolve. No caso das alergias, as lesões na pele só irão aparecer naquelas pessoas que são alérgicas a determinados agentes, os chamados alérgenos. Para que haja a reação alérgica, a pessoa primeiro entra em contato com a substância alérgena e se torna sensível àquele agente. O corpo então registra aquele agente como um agressor e, se a pessoa entrar em contato novamente com ele, começará a reação alérgica. Portanto, a dermatite só aparece depois de algum tempo. às vezes, são necessárias várias exposições paraque a pessoa se torne sensível. Quanto maior for a sensibilidade e quanto mais tempo a pessoa tiver contato com oagente agressor, maior será a reação alérgica. Várias substâncias podem desenvolver alergia de contato. Poderemos citar algumas, como o níquel (encontrado em bijuterias e mesmos jóias finas), plantas, borracha (Latex), perfumes,maquiagem, e outras. Até mesmo o sol pode provocar alergia para determinadas pessoas.
A alergia ao níquel é bastante comum,já que vários produtos contém esse agente em sua fórmula. é o caso dasbijuterias, as jóias mais finas, zíperes, moedas, tesouras, grampos, canetas, pinças, enfim, uma infinidade deprodutos que utilizamos dia a dia. As lesões causadas por ele vão aparecer nos locais onde usamos os produtos. Assim sendo, é comum observarmos uma vermelhidão do pescoço daqueles que usam corrente feita com níquel, alergiano lóbulo da orelha daqueles que usam brincos com níquel, e assim por diante. Essas lesões provocam muita coceira,vermelhidão, às vezes bolhas. Uma forma de solucionar o problema é evitar de usar essas bijuterias ou produtos queestejam provocando a alergia, além de usar uma pomada a base de corticoide para aliviar os sintomas.
Outro tipo de alergia de contato comum é aquele provocado pelo uso de cosmésticos e tinturas de cabelo. A região dos olhos é a mais susceptível ao uso de maquiagem, mas pode afetar outras partes do rosto. Mesmo produtos como hidratantes, protetores solar, perfumes e outros produtos usados na pele podem provocar reação alérgica. Em geral, a alergia dos cosmésticos é causada pelos perfumes colocados nesses produtos. Deve-se incluir nesta lista também osdesodorantes como causadores de alergia. Outro ingrediente que normalmente está presente nos cosmésticos e que é responsável pelas alergias de pele são os preservativos, que são colocados nos produtos para prevenir que se contaminem com bactérias. Os sintomas são de prurido, vermelhidão no local,muitas vezes com descamação e até mesmobolhas. Em geral, a pessoa percebe a irritação quando muda para um novo cosméstico, porém, nem sempre é possível saber o que está provocando a alergia, principalmente se a pessoa usa vários produtos diferentes. Quando houverdúvida em se detectar qual é o agente que está provocando a alergia, o melhor jeito é fazer um teste alérgico, colocando-se todos os possíveis alérgenos diretamente em contato com a pele, em forma de emplasto/adesivo, para ver qual é o causador do problema. Sabendo-se qual é o causador da alergia, a melhor forma é não usar qualquerproduto que contenha aquele agente.Fique algum tempo sem usar nenhum produto para depois testar um outro cosmético.Para tratar o problema em si, usa-se cremes a base de corticoides, sendo que para a região dos olhos deve-se usar uma fórmula bem mais fraca, pois é uma região bem sensível.
Também são frequentes as alergias de contato por produtos de borracha como sandálias, pulseiras de relógio, e aqueles produtos feitos a base de latex, como por exemplo, as luvas cirúrgicas e até mesmo a camisinha. Em relaçãoàs luvas cirúrgicas, o problema vem crescendo muito, principalmente entre os médicos e dentistas que necessitamusá-las frequentemente. Muitas vezes, a alergia nem é causada pelo latex em sí, mas pelos produtos que são colocados nas luvas, como o talco. é preciso diferenciar bem o agente causador. Para aqueles com alergia à luva de latex, estão sendo fabricadas luvas de vinil e outros materiais sofisticados que não provocam alergia. Outro problema sério tem sido em relação às camisinhas, também produzidas por latex. Como ultimamente vem crescendo o número de doenças transmissíveis pelo sexo, tem sido muito recomendado o uso de preservativos como forma deprevenção. Mas, com isso tem surgido mais casos de alergia ao produto. Como uma forma de melhorar a situação,estão sendo fabricadas camisinhas com outros materiais que não o latex, como por exemplo estireno e polímeros. Faz-se necessário salientar que nem sempre a alergia é causada pelo preservativo em si, mas pode ser causada peloslubrificantes que são colocados na camisinha quando são produzidos. Nesse caso, mudando-se de uma marca para outra pode resolver o problema.